ATM | Associação de Investidores

  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Error
  • Error loading feed data.
Artigos e Teses

Mercados accionistas: Investimento em índices de acções

E-mail Print PDF

Apresentação sobre os mercados accionistas e a vantagem de investir directamente em índices de acções de forma a mitigar o risco especifico, ficando apenas exposto ao risco de mercado.

pdf iconInvestimento em índices de acções 2011(925KB)

Para ver, copiar e imprimir o documento anexo precisará da última versão do Adobre Acrobat Reader. Se ainda a não tiver, poderá obtê-la gratuiramente no síto da Adobe Acrobat Reader.


Last Updated on Friday, 06 May 2011 21:48
 

Golden Shares: Vivo ou Morto. (inclui análise financeira à Vivo)

E-mail Print PDF

A Telefonica SA (Telefonica) fez uma oferta de aquisição de 50,00% do capital da Brasilcel N.V. detido pela Portugal Telecom SGPS, SA (PT), com uma contrapartida em dinheiro no valor de 7,15 mil milhões de Euros (Oferta).

A Brasicel detém o controlo da Vivo Participações (VIVO), com uma participação de 63,54% do capital social.

A Brasicel é detida em 50,00% pela Telefonica e 50.00% pela PT (49,99% na PT Móveis SGPS SA e 0,01% na Portugal Telecom SPGS SA).

A oferta da Telefonica tem em vista controlar a Vivo, que é uma participação estratégica para ambas as empresas (Telefonica e Portugal Telecom) no Brasil ao nível dos cash flows gerados e, eventual, do cross selling de produtos.

Last Updated on Friday, 06 May 2011 21:47 Read more...
 

DON’T FIGHT THE FED: Quantitative Easing

E-mail Print PDF

A Reserva Federal (FED) nos EUA aprovou, pela segunda vez nos últimos anos, a compra de Obrigações do Tesouro (Government Bonds), a partir de dinheiro criado do nada. Este processo é conhecido como Quantitative Easing (QE). Este novo plano, QE2, pressupõe a compra de 600 mil milhões de dólares americanos (equivalente a mais de 4% do PIB) em Obrigações do Tesouro até ao final do 2º trimestre de 2001, a um ritmo aproximado de 70 mil milhões de dólares por mês (considerando que a FED esta também a comprar o que vai amadurecendo de compras anteriores, o ritmo pode ser considerado na casa dos 100 mil milhões de dólares por mês).

Last Updated on Tuesday, 03 May 2011 01:22 Read more...
 

O chumbo do Orçamento de Estado

E-mail Print PDF

Nas últimas semanas tem subsistido a dúvida se a não aprovação do Orçamento de Estado para 2011 teria um impacto negativo no mercado de acções português.

A resposta imediata é que a medida, por si só, não teria efeitos de longo prazo, assentando numa proposição de “neutralidade”. Já no curtíssimo prazo, talvez poucos dias, o mercado poderá reflectir a acção política de chumbar o Orçamento de Estado, na medida em que tal representaria um aumento da incerteza dos retornos do investimento perante a possibilidade de um futuro incerto e autónomo à vontade dos investidores susceptível de originar prejuízos.

Existe a noção generalizada pelos practitioners e pela imprensa especializada em finanças de que a não aprovação do Orçamento de Estado e, em particular, a não implementação de medidas eficazes de combate à situação crónica do défice orçamental, poderá originar um agravamento do risco do país impondo-lhe maior custo no acesso ao crédito, resultando num aumento das taxas de juro e, eventualmente, com tudo isso, a queda das bolsas, a deterioração da economia… Enfim, um verdadeiro cataclismo.

É certo que um agravamento do risco do país e, consequentemente, do custo da dívida pública, tem, ceteris paribus, impacto na avaliação do justo valor das empresas, na medida em que o aumento do risco do país (country risk) aumenta o custo dos capitais próprios (na óptica dos shareholders) e aumenta o custo da dívida (na óptica dos debtholders), aumentando assim a taxa de desconto,

Last Updated on Friday, 06 May 2011 21:23 Read more...
 


Page 5 of 6

LOGIN DE SÓCIO

MERCADOS

DIFUSÃO DE INFORMAÇÃO


RSS
YouTube
Junte-se ao nosso grupo
Junte-se à nossa rede
Siga-nos
{alt}